Quais são as vantagens de fazer manutenção preventiva na cozinha industrial?

  • Home
  • Gastronomia
  • Quais são as vantagens de fazer manutenção preventiva na cozinha industrial?

O investimento inicial para montar um bar, lanchonete, padaria ou restaurante não é baixo, tanto pela quantidade de licenças necessárias quanto pelo custo de equipamentos, como fornos combinados, ultracongeladores, fatiadores, lava-louças e speed ovens.

Nesse contexto, um grande problema é a ausência de manutenção preventiva, que gera gastos inesperados com troca de peças ou dos próprios equipamentos.

Para ajudar você a evitar dores de cabeça, preparamos este material especial, que mostra detalhadamente por que você não pode ignorar a inspeção preventiva do maquinário de sua cozinha e quais prejuízos essa negligência pode trazer. Confira!

Quais os benefícios da manutenção preventiva na cozinha industrial?

Em 2015, um estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar) revelou que, no ano anterior, as varejistas brasileiras perderam 2,89% de seu faturamento líquido devido a perdas e ineficiências operacionais, como quebra de equipamentos. E muitos desses prejuízos poderiam ser evitados com a manutenção preventiva.

Garante a qualidade dos alimentos

Vamos tomar como exemplo os ventiladores instalados dentro de um forno de convecção. A função desses componentes é garantir a circulação homogênea do ar, ou seja, assegurar que o ar quente circule de forma igual por todos os pontos da câmara.

Agora imagine se, durante o uso intenso desse equipamento, não for percebido que há um defeito no capacitor desses ventiladores (aliás, dificilmente alguém dentro de sua cozinha notaria um problema sutil como esse).

O resultado dessa falta de manutenção preventiva seria, por exemplo, uma fornada de pães totalmente desuniforme, com algumas partes cruas e outras absolutamente queimadas. Ou seja, em um curto prazo você perde insumos e, com o passar do tempo, pode até mesmo ver os clientes se afastarem.

Afinal, não adianta ter a melhor engenharia de cardápio e falhar no mais básico: a qualidade e o sabor dos alimentos.

Evita o aumento da conta de energia

Não faz sentido investir em speed ovens, fornos combinados e ultracongeladores se o estabelecimento é negligente no monitoramento periódico de seus desempenhos.

Em um segmento de altíssima concorrência, como é hoje o gastronômico, a diferença entre um player de sucesso e aquele que sofre para se manter de portas abertas está fundamentalmente na atenção com a equipe e também no cuidado com o maquinário.

Aliás, outro prejuízo que a falta de visitas técnicas pode causar é o aumento desmedido do custo da energia elétrica. Segundo levantamento publicado pela Agência EBC Brasil, a eletricidade representa mais de 40% dos custos de produção das pequenas e médias empresas nacionais (inclusive no setor de bares e restaurantes), o que está longe de ser pouca coisa.

Vamos imaginar que seu estabelecimento tenha um ultracongelador. Para que esse equipamento proporcione um bom resfriamento artificial, o sistema de refrigeração é formado por uma série de peças e insumos, como fluido refrigerante, compressor, condensador, válvula de expansão e ventiladores internos.

Apenas para citar um exemplo, um simples defeito de performance nessa válvula de expansão prejudicaria a queda da pressão na área interna. Isso desencadearia um efeito cascata, que passaria ainda pela menor taxa de evaporação e, por fim, no resfriamento desregulado.

Além das perdas de insumos já citadas, o crescimento do custo de energia elétrica por defeito em máquinas, se não for percebido a tempo, pode colocar em xeque o próprio funcionamento do local.

Impede a perda do próprio investimento no equipamento

Vencer um GP de Fórmula 1 com um carro antigo é impossível, certo? O mesmo vale para um bar, lanchonete, padaria ou restaurante que opera com equipamentos obsoletos ou funcionários sem expertise na cozinha.

Se você tem ciência dessa situação, provavelmente investe da melhor forma em seus equipamentos. O monitoramento periódico existe para garantir o melhor estado técnico operacional das máquinas, reduzir o envelhecimento ou a degeneração e ampliar a vida útil das peças.

Qual é a frequência ideal de inspeção?

Não há uma resposta padrão para esse questionamento. A periodicidade da inspeção depende muito do tipo de equipamento, da incidência de uso e outros fatores. Por exemplo, nas cozinhas que trabalham em três turnos, equipamentos são desgastados com velocidade bem maior do que nas que funcionam apenas para o almoço. Estabelecimentos diferentes terão manutenções em tempos distintos, respeitando as particularidades de cada local.

A Prática, líder no segmento de equipamentos para o preparo de alimentos no Brasil, oferece em seu programa Smart Service a preventiva com visitas trimestrais.

O importante é que essa manutenção preventiva seja recorrente para garantir o bom funcionamento do equipamento e evitar as quebras, redução de performance, diminuição da vida útil, elevação da conta de energia, perda de alimentos e de qualidade da produção.

O empresário deve estar ciente de que não adianta investir pesado em maquinário e depois deixá-lo sem monitoramento de desempenho. Da mesma forma, fazer essa inspeção sem nenhuma periodicidade e depois deixar o equipamento “ao sabor da sorte” também eleva a probabilidade de imperfeições na produção. Recorrência aqui é a palavra-chave.

Como funciona o programa de manutenção preventiva da Prática?

Nem todos os estabelecimentos gastronômicos se importam com essa questão, mas isso pode acabar resultando em consumidores insatisfeitos e perda de clientes. O curioso é que a assinatura de um plano de manutenção preventiva é, ao contrário do que alguns imaginam, algo simples, barato e que traz um altíssimo retorno sobre o investimento.

A título de curiosidade, um estudo de Philip Kotler atesta que conquistar um novo cliente é de 5 a 7 vezes mais caro do que manter os já existentes. Quanto custaria a você ter que recompor sua carteira após uma saída em massa de consumidores por perda na qualidade dos pratos, decorrente da ineficiência de equipamentos da cozinha? Não é mais barato assinar um plano de prevenção?

Com apenas R$ 90,00 mensais no primeiro equipamento e R$ 45,00 mensais para cada equipamento adicional na mesma unidade, você já consegue proteger sua cozinha e tem a tranquilidade de saber que todo seu investimento está funcionando em performance máxima.

O programa de manutenção preventiva pode ser assinado com rapidez e garante os seguintes benefícios:

  • atendimento técnico em até 24 horas da abertura do chamado;
  • 20% de desconto na compra de peças originais;
  • todos os chamados, até a sua solução, são acompanhados pela central de atendimento Prática;
  • plantão aos finais de semana;
  • suporte técnico à distância direto da fábrica;
  • periodicidade trimestral;
  • mais de 600 técnicos disponíveis e treinados pela fábrica;
  • baixo custo de manutenção e extensão da vida útil do maquinário.

Sua cozinha nunca passou por manutenção preventiva? Não perca dinheiro nem por mais um dia! Entre já em contato com a Prática e saiba como podemos proteger seus equipamentos!

Facebook Comments

Deixe um comentário