Fatiador de frios: uma boa solução para food service e restaurantes

Eficiente, resistente, seguro, de fácil manuseio e higienização e com um design moderno. Essas são apenas algumas das características que um bom fatiador de frios deve ter. Afinal, o uso desse equipamento oferece inúmeros benefícios à rotina agitada de supermercados e padarias e agrega valor à qualidade final das receitas preparadas.

No post de hoje, vamos falar mais sobre as utilidades do fatiador de frios: um equipamento primordial que vem ganhando espaço também nas cozinhas de restaurante e lanchonetes. Confira agora!

Como o fatiador de frios pode otimizar o tempo dos restaurantes e lanchonetes?

Tradicionalmente, nas padarias e nos supermercados o fatiador de frios tem papel protagonista. Nesses estabelecimentos, o equipamento é usado diariamente e com bastante intensidade para fatiar uma diversidade de produtos vendidos fracionados e utilizados nas receitas do próprio estabelecimento.

Nos restaurantes e nas lanchonetes, porém, o fatiador costumava ter uma função mais tímida. Mas esse cenário tem mudado. Hoje, o uso do fatiador está se popularizando nas cozinhas por agregar à rotina benefícios como agilidade e precisão nos cortes.

Sabores e aromas ressaltados 

Você deve estar se perguntando de que modo um fatiador de frios pode ressaltar os sabores de um prato… Vamos falar um pouquinho sobre isso!

Os cortes bem finos de embutidos e queijos ressaltam o sabor das pizzas, lasanhas e sanduíches, deixando a receita mais harmoniosa. Quanto menor a espessura da fatia, mais saborosa ela será!

Há uma boa explicação para isso: produtos como mussarela, salame, parma entre outros embutidos costumam ser temperados com ervas, pimenta e condimentos. Se eles forem fatiados com espessura muito grossa, haverá o risco de distribuir de forma irregular esses temperos.

Imagine um salame com especiarias tipo pimenta rosa ou pimenta do reino em bolinhas. Um corte grosseiro deixará algumas fatias com a bolinha de pimenta do reino inteira e outra fatia sem a pimenta.

Apenas uma lâmina de qualidade e precisão consegue fatiar tudo de modo mais uniforme, garantindo que a pequena bolinha de pimenta do reino também seja fatiada, distribuindo por igual os sabores e aromas! A espessura fina também confere uma leveza ao paladar.

Com o uso de um bom fatiador de frios, os sanduíches vendidos em lanchonetes ganham recheios mais harmonizados e as tábuas de frios servidas como entradas em um restaurante têm mais sutileza. Esses detalhes fazem toda diferença na qualidade final. Acredite!

Tempo é dinheiro! 

No dia a dia corrido e muitas vezes tumultuado das cozinhas de restaurantes e food service essa máxima se aplica muito bem! Quanto mais rápido as receitas são preparadas, mais satisfeitos os clientes ficam e, consequentemente, mais pratos podem ser produzidos.

E é aí que entra em cena novamente o fatiador de frios. Esse aparelho é um grande aliado no preparo ágil das receitas, e consegue entregar em instantes fatias de queijos, salames, presuntos e demais embutidos em diferentes espessuras.

O que considerar na escolha do fatiador de frios ideal?

Alguns fatores são essenciais para garantir a alta qualidade de um fatiador de frios, como, por exemplo, o material do equipamento.

O acabamento em alumínio anodizado e aço inoxidável é o ideal, pois não deixa penetrar líquidos nem gorduras dos frios. Além disso, esses materiais não enferrujam, ao contrário dos fabricados em aço carbono.

A performance, a segurança operacional e a facilidade no processo de limpeza também precisam ser levados em consideração na hora da escolha. Vamos falar mais detalhadamente sobre esses itens!

Performance

Tecnologia e uma lâmina de altíssima qualidade vão garantir a boa performance do aparelho, resultando em cortes precisos.

O fatiador de frios ideal realiza cortes de diferentes espessuras e com uma boa apresentação. Um equipamento eficiente consegue entregar, em média, 45 fatias por minuto mantendo os cortes homogêneos e com perfeita aparência.

É importante ter versatilidade no corte, pois em alguns momentos a demanda é por espessuras mais grossas e, em outros, mais finas. Um bom equipamento certamente conseguirá atender às diferentes necessidades e preferências da clientela, garantindo a satisfação.

O diâmetro da lâmina é outro requisito que merece atenção especial. É preciso investir em fatiadores que tenham a lâmina proporcional ao produto que será fatiado.

Se o estabelecimento trabalha com alimentos com dimensões maiores, como os embutidos italianos, que têm o diâmetro grande, por exemplo, é preciso adquirir um fatiador que tenha uma lâmina de 350 mm. Mas se a demanda da cozinha for por produtos mais finos, a lâmina pode ser menor, com 30 cm.

Higienização

No processo de limpeza do fatiador de frios há várias questões que precisam ser observadas.

Se o aparelho tiver uma construção muito complexa, o funcionário responsável pela higienização vai gastar muito tempo na tarefa. Por outro lado, quanto mais peças móveis, mais eficaz é a higienização do equipamento. Isso porque um fatiador que conta com poucas peças possíveis de serem retiradas oferece o grande risco de ser mal higienizado, o que facilita a proliferação de bactérias. 

O fatiador de frios ideal deve ser confeccionado com viga de metal especial sem porosidade e aspereza. Outro detalhe: a superfície lisa e com cantos arredondados também evita a proliferação de microrganismos.

O que um fatiador de frios precisa ter para atender as regras do Ministério do Trabalho e do Inmetro?

Segurança é a palavra-chave de um bom equipamento e, por isso, os fabricantes precisam seguir determinações do Inmetro e do Ministério do Trabalho para diminuir o risco de acidentes de trabalho durante o uso do aparelho. Por isso, fique atento às questões abaixo.

A principal delas se refere à segurança elétrica e aos cabos de alimentação com certificação (IEC 60245 – 57). O disjuntor elétrico deve proteger o fatiador contra as sobrecorrentes. Da mesma forma, os dispositivos de acionamento devem ser integrados para impedir o funcionamento automático ao receber a corrente elétrica.

Chaves de bloqueio são importantes para evitar o acionamento do fatiador de forma acidental. O equipamento deve possuir sensores no afiador da lâmina de modo que, quando não estiver sendo afiada, a lâmina não fique exposta, evitando risco de cortes.

O recomendável é que o painel de comando seja de fácil compreensão. Os botões de partida e desligamento precisam ser projetados e localizados fora das zonas perigosas. O mesmo vale para o botão de emergência e rearme.

Por fim, antes da compra, cheque se o fabricante possui o selo do Inmetro referente à Portaria 371/2009. É imprescindível ter o laudo da NR-12 do Ministério do Trabalho e a Anotação de Responsabilidade Técnica. Há ainda outros selos de qualificação, que são o diferencial de uma marca. Consulte-os!

Como vimos, os fatiadores de frios estão se mostrando um aliado útil e importante na rotina apertada dos food service e dos restaurantes. Por isso, o investimento nesses equipamentos oferece ótimas soluções para o bom funcionamento da cozinha industrial e para a qualidade dos pratos servidos. A escolha acertada do fatiador de frios garante ao empreendedor uma alta performance com segurança.

O post de hoje foi útil para você? Esperamos ter esclarecido todas as dúvidas sobre o assunto! Aproveite para assinar a nossa newsletter e receber, em primeira mão, outros conteúdos de grande utilidade para o gestor de food service!

Facebook Comments

Deixe um comentário