Como trabalhar com alimentos orgânicos no restaurante?

O mercado de alimentação saudável movimenta valores expressivos no setor, e parte disso se deve aos alimentos orgânicos. Cada vez mais, a população busca por produtos dessa natureza, ou seja, produzidos sem uso de agrotóxico, de defensivos agrícolas e sem modificação genética. No processo de cultivo orgânico, o adubo vem da própria natureza, e o controle de pragas é feito com substâncias naturais, de maneira biológica. 

O objetivo tem sido ingerir alimentos benéficos à saúde, livres de toxinas. Apesar da crescente demanda, se dedicar a esse segmento requer planejamento cuidadoso. Por isso, o post de hoje foi elaborado para ajudá-lo nessa tarefa.

Vamos mostrar a importância de incluir em seu estabelecimento alimentos orgânicos e outras dicas valiosas para fazer a escolha certa do fornecedor e tornar o seu negócio lucrativo. Acompanhe!

Admirável alimento novo

Tem crescido a popularidade dos alimentos orgânicos no Brasil e no mundo. Em 2017, havia 15 mil produtores cadastrados no país. O faturamento em 2016 foi de R$ 3 bilhões. O levantamento Consumo de produtos orgânicos no Brasil” revelou que 15% da população faz uso frequente de alimentos orgânicos. A maior parte dessa porcentagem está localizada na região Sul.

Os consumidores desse tipo de produto são exigentes e fiéis. Eles se preocupam com a saúde e o bem-estar, o que os fazem buscar por alimentos e refeições de ótima procedência.

Diante desse cenário, incluir os orgânicos no cardápio de um restaurante tornou-se uma estratégia inteligente! E há muitos outros quesitos interessantes para o estabelecimento que faz essa opção.

A possibilidade de ter um cardápio criativo e vasto é uma delas. As opções de orgânicos são variadas, vão desde frutas, verduras, farinhas e grãos até carnes, chocolates, mel, bebidas, entre outros. Isso facilita agradar aos mais diferentes paladares.

Quem experimenta alimentos orgânicos raramente deixa de consumi-los. Isso porque esses produtos são bem mais apetitosos, ricos em sabor e textura, em função dos rigorosos padrões de produção que seguem.

Trabalhar com alimentos orgânicos traz ao negócio um importante valor agregado, pois reflete as posturas ideológicas do estabelecimento em relação a questões socioeconômicas e ambientais.

Um restaurante comprometido com modos de produção sustentáveis é objeto de desejo de muitos profissionais. Hoje, cada vez mais as pessoas sonham em trabalhar em empresas ecologicamente corretas. Os orgânicos são um atrativo nesse sentido e podem ajudar a compor uma equipe de trabalho engajada e satisfeita.

Atenção aos custos

Alimentos orgânicos podem ser mais onerosos para um restaurante. Porém, há mecanismos para superar isso e garantir a satisfação da clientela e bons lucros.

A produção de orgânicos no Brasil ainda é limitada. Isso, inevitavelmente, faz os preços se manterem mais altos em relação aos produtos convencionais. Uma alternativa é buscar por fornecedores locais, evitando custos com logística de transportes.

Optar por um cardápio sazonal também ajuda a enxugar os custos. Produtos hortifrutigranjeiros da estação têm preços menores. Apesar de desafiador, oferecer pratos de acordo com a estação do ano também pode ser um atrativo para seus clientes, interessados em variar as experiências gastronômicas.

É importante frisar que as pessoas que buscam por alimentos orgânicos e investem na alimentação saudável têm consciência de que esses produtos possuem um custo mais elevado. De modo geral, elas estão dispostas a pagar por isso.

Investir no marketing é uma estratégia interessante para levar ao seu público consumidor informações sobre os critérios de seleção de ingredientes e os modos de preparo de cada refeição. Esse entendimento fará as pessoas valorizarem ainda mais o seu produto.

Como escolher os alimentos orgânicos 

Na hora de escolher o fornecedor de alimentos orgânicos para o seu estabelecimento, priorize os produtores mais perto geograficamente, pois isso fortalece a economia local.

Na relação com os produtores orgânicos é preciso compreensão e muito jogo de cintura. Em função das especificidades do plantio, nem sempre a colheita dos alimentos orgânicos corresponde às expectativas do comprador.

Dê preferência aos produtos certificados. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento disponibiliza aos produtores um selo de qualidade. Os produtores que possuem essa certificação devem cumprir determinações e passam por fiscalização periodicamente.

Produtos comercializados em feiras, sem embalagens, não precisam do selo. Porém, devem apresentar uma declaração de conformidade orgânica, comprovando que o produto passou pelo processo de identificação.

O Ministério recomenda que os restaurantes e demais estabelecimentos que comercializam alimentos orgânicos mantenham à disposição de clientes e consumidores as listas de todos os ingredientes orgânicos usados e a listagem dos fornecedores desses produtos.

Como armazenar 

Toda atenção deve ser voltada também para o armazenamento dos alimentos orgânicos.

Por não terem conservantes e produtos químicos, alguns produtos duram bem menos que os convencionais. É o caso dos laticínios, pães e bolos, por exemplo. Estes devem ser armazenados em local refrigerado ou congelados.

Outros orgânicos, porém, como verduras e hortaliças, justamente por não terem agrotóxicos e pesticidas, duram bem mais. Mas, independentemente da durabilidade, os produtos orgânicos requerem cuidados na conservação.

Os hortifrúti devem ser higienizados logo após a compra e depois guardados em ambiente refrigerado. O ideal é que sejam embalados em saquinhos com furos. Assim eles não vão ressecar.

Batata, alho e cebola, em particular, não devem ser refrigerados. Esses alimentos devem ser armazenados em local fresco e escuro. E não devem ser lavados, já que possuem uma camada de proteção que só deve ser higienizada instantes antes de consumir.

Uma escolha consciente e sustentável

Optar por alimentos orgânicos é também optar pela saúde. O Relatório Nacional de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos mostra que, no Brasil, de 2007 a 2014, houve cerca de 70 mil casos de intoxicação por agrotóxicos. Essa realidade evidencia os riscos do uso indiscriminado de produtos químicos nocivos à saúde humana.

O quadro se agrava ao verificarmos a toxidade desses produtos ao solo e à água. Esse contexto chama atenção para a busca de alternativas que não prejudiquem nem a saúde humana nem o meio ambiente.

Nessa perspectiva, os alimentos orgânicos se mostram uma opção saudável e ambientalmente responsável. Assim, o restaurante que faz a opção por trabalhar com esses produtos sai na frente! E pode ir além, incorporando outras práticas sustentáveis, como a adoção de ​ equipamentos eficientes, que consomem menos energia.

Gostou das dicas? Curta nossa página no Facebook. Lá você confere muitos outros posts interessantes, que vão ajudá-los em seu estabelecimento.

Deixe um comentário